The King of Fighters: O Torneio de Luta Definitivo

Como costuma acontecer com as famosas superbandas, que reúnem músicos consagrados para construir bandas ainda mais incríveis (vide Black Country Communion e outras tantas), a franquia The King of Fighters nasceu com o intuito de colocar os mais famosos personagens da SNK em um mesmo jogo. No entanto, a franquia se tornou tão popular, que seu nome, até os dias de hoje, é reverenciado pelos fãs de jogos de luta.

Sabendo disso, resolvemos criar este post para contar a história dessa lenda do mundo dos games. Pois é! The King of Fighters fez (e faz) parte da vida de muitos jogadores mundo afora e, sem dúvida alguma, merece todas as homenagens. Portanto, ajeite a poltrona e prepare-se para reviver os maiores momentos desse Torneio de Luta Definitivo. Vamos começar com a pancadaria?

The King of Fighters 94

A franquia The King of Fighters, propriamente dita, teve início em The King of Fighters 94, embora muitos afirmem que o primeiro game da série aconteceu em Fatal Fury: King of Fighters. De qualquer modo, se não fosse por The King of Fighters 94, não teríamos essa série lendária. Afinal, foi nesse título que o mundo conheceu grandes lutadores e o inovador combate em equipes.

As regras da competição foram alteradas pelo icônico Rugal Bernstein, que resolveu convidar oito equipes de três lutadores para decidir quem iria lutar contra ele. Como não poderia deixar de ser, as equipes eram recheadas de personagens que já haviam figurado nos jogos da SNK, e claro, todos eles eram lutadores incríveis, com habilidades surreais.

Apesar dos combates alucinantes e do desafiador embate contra Rugal, a história original do game, registra que a equipe do Japão foi a vencedora do torneio e que Kyo Kusanagi, um dos personagens principais da série, superou o vilão (Bernstein) no combate final. Enfim, foi aqui que a lenda começou a dar os seus primeiros passos…

The King of Fighters 95

Em 1995, The King of Fighters 95 surgiu para dar continuidade à história da franquia. Aliás, cabe ressaltar que, até 2003, todos os jogos foram lançados em uma escala anual, com o ano do lançamento representado ao lado do título de cada game. De qualquer modo, nesse título, Rugal Bernstein, para a surpresa de todos, retorna em busca de vingança.

Além de Rugal e da presença do “Omega Rugal”, esse game representou a estreia de um time iniciante que contava com ninguém menos do que Iori Yagami, outro grande ícone da série. Os combates continuaram intensos, com novas equipes e personagens. Contudo, como conta a história oficial, o torneio foi novamente vencido pela equipe do Japão e, após a derrota para Kyo, Rugal foi destruído.

The King of Fighters 96

Em 1996, a franquia The King of Fighters (abreviada oficialmente como KOF) viu o seu terceiro título. Depois disso, os gamers passaram a aguardar, definitivamente, que cada ano tivesse um novo The King of Fighters. Assim, The King of Fighters 96 trouxe algumas mudanças importantes.

Para começar, o torneio (dentro da história) perdeu a sua característica de acontecer sem alardes, sendo amplamente divulgado pelo mundo. Além disso, alguns lutadores veteranos como Heidern e Takuma resolveram se aposentar, dando lugar a novos personagens (com destaque para Leona).

De acordo com a história, o torneio novamente foi vencido pela equipe do Japão. Todavia, Rugal não deu as caras e a luta final foi contra Leopold Goenitz, que também tinha o poder maligno utilizado por Rugal no último torneio. Ao fim, e apenas com a ajuda de Iori (que depois foi tomado pelo poder de Orochi), Kyo conseguiu superar o poderoso inimigo, encerrando mais um campeonato emocionante.

The King of Fighters 97

Mais um ano, mais um KOF. Foi assim que os fãs da série saudaram a chegada do ano 1997. E claro, a franquia The King of Fighters não os decepcionou. Nesse título, algumas mudanças na jogabilidade foram feitas e os jogadores podiam escolher entre os modos advanced (KOF ’96) e Extra (KOFs ’94 e ’95).

No torneio do ano de 1997, os times foram praticamente os mesmos do ano anterior, com algumas mudanças pontuais e a adição de um novo time misterioso, formado por Nanakase, Shermie e Chris. De qualquer forma, o campeonato, que já havia se tornado uma febre no mundo, foi marcado pela preocupação de que Iori e Leona manifestassem seu poder incontrolável, já que os dois possuíam o sangue de Orochi.

Em meio a combates eletrizantes, os lutadores conseguem superar Leona e Iori, fazendo com que eles voltassem ao normal. No fim, Orochi dá as caras e, seguindo a história, Kyo e Iori, eternos rivais, se juntam para dar fim ao maligno inimigo.

The King of Fighters 98

Apesar de ser um dos mais populares jogos da franquia, The King of Fighters 98 é o primeiro jogo que não faz parte da sequência de eventos da série. Isto é, o game é uma versão comemorativa que não traz nenhuma história especial. No entanto, a presença de 38 lutadores diferentes foi o motivo perfeito para encantar os fãs de KOF.

Nesse game, algumas alterações foram feitas na jogabilidade, deixando-a mais fluída. Mesmo assim, temos mais uma dose de tudo que a série já havia apresentado até então, ou seja, combates eletrizantes e times de lutadores prontos para vencer o torneio. E claro, o icônico Rugal Bernstein deu as caras mais uma vez.

The King of Fighters 99

Em 1999, a franquia The King of Fighters começou a apresentar uma nova saga e algumas novidades surpreendentes, como as equipes de quatro lutadores, que surgiram para abrilhantar ainda mais as épicas lutas proporcionadas por The King of Fighters 99.

Além disso, nessa aventura, Kyo e Iori são personagens secretos e o time dos heróis (assim como outras equipes) passou por algumas reformulações. A história, por sua vez, coloca Krizalid como o grande antagonista, revelando um plano que consistia em criar clones do grande campeão do torneio para montar um exército poderoso.

Todavia, quando a batalha entre o time dos heróis e Krizalid acontecia, Kyo ressurge das cinzas para superar seu adversário e é nesse momento que o cartel NESTS é revelado. No fim, após superar todos os adversários, Kyo se encontra com seu rival, Iori, e tudo acaba em uma disputa justa, mas mortal.

The King of Fighters 2000

Em seu sexto título (e segundo da saga NESTS) a série The King of Fighters surgiu com novidades. Os combates entre as equipes com quatro lutadores foram mantidos, mas a presença dos chamados “Strikers” foi notável. Afinal, esses eram personagens que surgiam rapidamente para ajudar os lutadores. Ao todo eram 45 Strikers (sendo 10 secretos e alguns exclusivos para o PS2). O Curioso era que os personagens pertenciam a diversos títulos da SNK.

De qualquer modo, temos aqui a evolução da trama envolvendo o cartel NESTS, com diversos personagens se revelando como agentes dessa organização e com K’ como o grande protagonista e último campeão do torneio. No fim do torneio, uma personagem secreta chamada Kula e K’ protagonizam cenas épicas após a batalha contra Zero, o grande antagonista dessa aventura.

The King of Fighters 2001

Para ingressar com força no século XXI, a série The King of Fighters resolveu marcar o fim da saga NESTS em grande estilo. Assim, The King of Fighters 2001 surgiu “revivendo” Kyo e Iori (os dois maiores nomes do torneiro) e Zero e Krizalid (os antagonistas dos dois últimos campeonatos). Enfim, tudo foi programado para aumentar a tensão entre as equipes e promover a diversão entre os jogadores.

Nessa aventura, a trama da saga NESTS chega ao seu ápice com revelações bombásticas e lutas incríveis. No fim, K’ consegue obter o tricampeonato, superando todos os adversários para, finalmente, bater-se contra Igniz, o verdadeiro chefão da NESTs.

Como não poderia ter sido diferente, o desfecho da história é grandioso e, após algumas cenas dramáticas e revelações finais, tudo o que os jogadores puderam ter certeza era que KOF ainda iria trazer muitos momentos incríveis para eles.

The King of Fighters 2002

Em The King of Fighters 2002, os jogadores viram o nascimento de outro título da série que não possuía história alguma. Isto é, no game, as lutas eram o centro das atenções. Aliás, foi por esse motivo que a jogabilidade foi otimizada ainda mais e os “Strikers” foram deixados de lado. Ademais, as batalhas voltaram a ser com equipes de três lutadores.

De qualquer forma KOF 2002 chamou atenção pela grande quantidade de personagens, pela presença de alguns personagens secretos e, como de costume, pelo retorno do icônico Rugal Bernstein como o chefão final.

The King of Fighters 2003

Em 2003, a série The King of Fighters passou a permitir que os jogadores alternassem entre os personagens que compunham seus times no meio das batalhas. Com isso, as lutas ficaram ainda mais dinâmicas. Além de outras alterações na jogabilidade, The King of Fighters 2003, ofereceu aos fãs da série o início de uma nova saga, a chamada “Tales of Ash”.

Nessa nova trama, Kyo e Iori assistem a todas as lutas como bons veteranos, enquanto K’ e Ash começam a roubar a cena como grandes “protagonistas”. Após combates eletrizantes e muitas reviravoltas surpreendentes, K’ é o campeão do torneio. Todavia, como sempre, as lutas iriam continuar.

Nessa aventura, Adel e Rose, filhos do lendário Rugal Bernstein, surgem para cumprir a vingança do pai, mas é o antagonista Mukai que surge como o grande chefão final. E, para a surpresa de todos, é revelado que Ash deseja quebrar o selo de Orochi mais uma vez.

The King of Fighters XI

Foi em The King of Fighters XI que a SNK resolveu quebrar o ciclo de lançamentos anuais e passou a nomear os jogos de acordo com a sequência em que eles foram lançados. Sendo assim, nesse 11º título, os jogadores puderam acompanhar a busca de Ash pelos tesouros de Iori e Kyo.

Além de algumas alterações mínimas na jogabilidade, o game manteve o sistema Tag Battle, que permitia a alternância entre os lutadores no meio da batalha. E também é importante ressaltar que as equipes passaram por grandes modificações. Com destaque para um time formado por Kyo, Iori e Shingo.

Em KOF XI, as lutas ganharam muita dramaticidade e Iori acabou perdendo o controle do seu sangue novamente. Depois de se virar contra seus amigos, ele teve seu tesouro roubado por Ash. No fim, o game se encerra com a promessa de que Kyo seria o próximo alvo.

The King of Fighters XII

Depois de alguns anos, desde o último lançamento, a série The King of Fighters ressurgiu com uma nova sessão de pancadaria. Contudo, para a infelicidade daqueles que esperavam pela continuação da saga “Tales of Ash”, o que se viu foi mais um game sem história.

Nesse 12º título, apenas 20 lutadores foram disponibilizados e, apesar das melhorias na parte gráfica, a ausência da história e dos finais para os personagens foi motivo de muitas críticas por parte dos jogadores.

The King of Fighters XIII

Em 2010, The King of Fighters XIII surgiu com o objetivo de retomar o padrão da série e oferecer uma continuação para a saga “Tales of Ash”. Com diversas alterações na jogabilidade, o game ficou mais rápido e a ação alucinante das batalhas foi “revivida”.

No que tange à história, mais uma vez os jogadores foram pegos de surpresa no meio de algumas reviravoltas interessantes e de uma trama que envolvia viagem no tempo e poderes ocultos. De qualquer modo, mesmo tendo prometido caçar Kyo, Ash se volta contra aquele que o convocou, desencadeando uma série de combates. No fim, com um poder incontrolável em seu corpo Ash se transforma em “Dark Ash” e se posiciona como o chefão final da aventura.

The King of Fighters XIV

No ano de 2016, The King of Fighters XIV chegou no mundo dos games trazendo uma história simples e um elenco com mais de 50 personagens. Além disso, o game passou por uma grande mudança na parte gráfica: tudo ficou 3D! Isso não agradou muito, já que as críticas revelavam que poucos realmente gostaram do visual dos lutadores.

Em relação à jogabilidade, The King of Fighters XIV conseguiu simplificar o seu sistema, fazendo com que o game ficasse bastante atrativo para quem nunca havia experimentado qualquer jogo da franquia. Tendo como chefe final uma criatura misteriosa que surgiu durante o torneio (Verse), o game foi apontado como um dos melhores jogos de luta da atual geração de consoles.


some text