Mega Man X: Memórias de uma Franquia Lendária

Mega Man é um nome extremamente conhecido no mundo dos games. Afinal, a Capcom já lançou mais de 50 títulos dentro desse universo e, como não poderia deixar de ser, a série conquistou muitos corações, oferecendo aos jogadores algumas franquias lendárias. No entanto, apesar de a franquia principal ter sido lançada em 1987 e estar prometendo um novo título para outubro de 2018 (Mega Man 11), a segunda franquia, conhecida como Mega Man X, é alvo de uma idolatria ainda maior por parte dos gamers.

Sendo assim, resolvemos relembrar a grande franquia Mega Man X, que, como nem todos sabem, deveria ter sido encerrada com o game Mega Man X5, mas não foi. Enfim, temos aqui uma lenda que, sem dúvidas, merece essa retrospectiva. Portanto, ajeite a poltrona e prepare-se para reviver momentos de muita nostalgia.

Mega Man X

Em 1993, a série Mega Man X deu as caras no mundo dos games. Lançado para o Super Nintendo, o game se posicionou como uma saga que iria dar continuidade à série Mega Man (série principal). Contudo, o sucesso foi tão grande que essa franquia secundária acabou se tornando uma das mais renomadas da história da Capcom.

Nesse primeiro título, os desenvolvedores seguiram a linha da série principal, mas adicionaram algumas novidades em sua jogabilidade. Com isso, o game acabou ficando mais dinâmico, muito mais divertido e cheio de ação.

Além disso, a origem de X, e de todos os “Mavericks” (robôs pensantes) criados a partir dele, é apresentada no jogo. Após muitas reviravoltas, Sigma, que era um dos “mocinhos” se transforma em um grande antagonista e os heróis, X e Zero, embarcam em uma jornada lendária para derrotá-lo.

Mega Man X2

Lançado em 1994, Mega Man X2 surge pra dar continuidade à história do primeiro título da franquia. Nesse game, a história se passa seis meses após a derrota de Sigma, que liderava a rebelião dos “Mavericks”. Mesmo com Sigma fora de cena, as lutas continuaram de forma intensa e três antagonistas (Violen, Serges e Agile) surgem para deixar as coisas mais interessantes.

Mega Man X2 não trouxe muitas inovações e, pior ainda, deixou alguns mistérios que, até hoje, não possuem uma resposta, como é o caso do amigo de X, que morre logo no início do jogo. Ninguém sabe quem ele era e muitas teorias sobre isso já surgiram na internet.

Mega Man X3

Mega Man X3 deu as caras em 1995 e essa foi a sua última aparição no Super Nintendo. Novamente, a história coloca X e Zero no centro das atenções e o plano de fundo continua sendo a revolta dos Mavericks e os desfechos dessas ocorrências.

Nesse título, temos um grande complô que apresenta um cientista chamado Dr. Doppler como o grande antagonista. No entanto, com o desenrolar da história percebe-se que, novamente, Sigma estava por trás de tudo. Aliás, em termos de jogabilidade, o game não inova muito, oferecendo apenas novas armas e novos desafios para os jogadores.

Mega Man X4

Mega Man X4 surgiu em 1997, e marcou o início de uma “nova era” para a série. Apresentando-se em diversas plataformas, o jogo é, até hoje, considerado um dos melhores de toda essa lendária franquia. Embora a proposta básica do jogo tenha sido mantida, nesse título, os jogadores conheceram várias novidades que passaram a ser replicadas nos jogos que vieram depois dele.

Na aventura, os jogadores acabam conhecendo uma série de novos personagens, embora Sigma tenha permanecido em seu papel, “mexendo os pauzinhos” por trás de tudo. O game também se destaca pela possibilidade de viver duas aventuras “distintas”, uma com X e outra com Zero. E claro, antes de cada batalha, o épico sinal “warning” e os diálogos com os chefões foram introduzidos. Enfim, esse é um dos grandes momentos da série e a guerra entre os Maverick Hunters contra os Mavericks e a Repliforce se tornou um capítulo histórico e inesquecível para muitos jogadores.

Mega Man X5

Em 2000, Mega Man X5 surgiu com a ideia de ser o capítulo final da série X, que daria lugar à série Mega Man Zero. No entanto, o game acabou tendo uma continuação. Isso, de certa forma, bagunçou as linhas cronológicas da franquia, forçando a Capcom a lançar alguns títulos para “tapar” os novos buracos criados na história (sem sucesso).

De qualquer modo, Mega Man X5 também chama atenção por conta das alterações na equipe responsável pelo game. Esse fato acabou reverberando de forma visível na jogabilidade. Em relação à história, temos uma luta contra o tempo na qual X e Zero enfrentam diversos inimigos para evitar a destruição do mundo.

Como não poderia ser diferente, as maquinações de Sigma também são um dos pontos importantes do game, embora o combate entre Zero e X seja o grande destaque. A aventura apresenta três finais diferentes e algumas alterações ao longo da trama são verificadas. Isto é, esse pode ser considerado um dos títulos mais envolventes e emocionantes da série e teria sido um final grandioso para a história.

Mega Man X6

Como foi dito, a ideia inicial era não termos um Mega Man X6. Não à toa, esse foi o primeiro título em que o criador da série, Keiji Inafune, não participou, exatamente pelo fato de ele ter idealizado o Mega Man X5 como o grande final. Aliás, foi por esse motivo que Mega Man X6 acabou criando muitos problemas no enredo e entrando em conflito com a série Mega Man Zero.

De qualquer forma, essa aventura é recheada de novos personagens e de momentos de muita ação. Nessa trama, embora Sigma esteja presente, o grande inimigo é Gate, um “Maverick” que dá início a um plano de destruição do mundo, sem considerar que X estaria pronto para impedi-lo. Mesmo assim, esse é considerado, por muitos, um dos games mais fracos da série.

Mega Man X7

Em 2003, Mega Man X7 fez sua estreia no mundo dos games e se posicionou como o primeiro game da série X a apresentar gráficos em 3D. Além disso, um novo herói, chamado Axl, é apresentado e, diferentemente do que aconteceu em Mega Man X6, Keiji Inafune, criador da série, foi o responsável pelo design do novo herói.

Essa aventura faz uso dos enredos dos dois títulos anteriores para criar um cenário que apresenta uma Terra inabitável e com muitos conflitos entre os Mavericks e as forças de resistência. As fases são marcados pela possibilidade de poder trocar de personagem durante a ação e, desse modo, atingir novos resultados do ponto de vista estratégico. Apesar de ser um game mais voltado para o gênero Action RPG, a aventura teve uma boa aceitação e conseguiu elevar o nível que o game anterior havia derrubado, embora as críticas às construções em 3D tenham sido enormes.

Mega Man X8

Lançado em 2004, Mega Man X8 corrigiu o único problema que havia levado muitos fãs à revolta com o título anterior: os gráficos 3D. Nessa nova aventura, a Capcom conseguiu retomar os cenários típicos de um jogo de plataforma, mas ofereceu personagens com modelagens em 3D.

Com os fãs felizes, pelo retorno ao estilo clássico do jogo e a adesão de novas construções gráficas, a história trouxe novamente o grande inimigo da série, Sigma. Novamente, fazendo uso de suas habilidade peculiares, X, Zero e Axl resolvem embarcar em uma jornada para impedir os planos de Sigma.

O grande problema em Mega Man X8 foi algo que começou no infame Mega Man X6, ou seja, os problemas no enredo. Como a série deveria ter sido encerrada no título X5, tudo que veio na sequência acabou deixando as coisas confusas e, obviamente, os fãs e a crítica especializada não gostaram nada disso.

Mega Man Maverick Hunter X

Em 2005, Mega Man Maverick Hunter X surgiu no PSP, prometendo dar início a uma série de remakes que teriam o objetivo de “consertar” os problemas no enredo, que foram gerados após Mega Man X5. Essa aventura revivia o primeiro título da série.

Entretanto, o remake não obteve grande sucesso e, até hoje, a continuação da série Maverick Hunter X não aconteceu (e, provavelmente, não acontecerá). Desse modo, as especulações indicam que o futuro dessa série é incerto.

Mega Man X Collection

Como se trata de uma franquia lendária, nada mais justo do que mencionarmos aquelas coleções especiais que foram criadas para ajudar os jogadores a terem compilações especiais dos títulos mais clássicos, não é mesmo? Bem, em 2006, Mega Man X Collection surgiu com os seis primeiros títulos da série e um jogo de corrida chamado Mega Man Battle Chase.

Essa coleção foi lançada apenas na América do Norte e, quando o jogador finalizava alguma das aventuras, ele tinha acesso a alguns bônus especiais, como imagens, músicas, vídeos, etc. Portanto, é uma coleção que conseguiu cumprir o seu papel e agradou aos muitos fãs da série.

Mega Man X Legacy Collection 1 & 2

Para encerrar, temos um grande presente lançado pela Capcom em julho de 2018: Mega Man X Legacy Collection 1 & 2. Nos últimos tempos, a empresa vem dando grande atenção aos seus clássicos e tomando bastante cuidado ao trabalhar nas sequências das suas maiores franquias. Como exemplo, temos o Mega Man 11, que surge para dar continuidade à série principal e a Mega Man X Legacy Collection 1 & 2, que oferece aos jogadores todos os títulos da lendária série X.

Dividida em dois volumes, essa coleção é incrivelmente especial, já que os jogadores têm acesso a todos os jogos da série X. O primeiro volume contém os games X até X4 e o segundo volume, os games X5 até X8. Além do mais, as construções passaram por um tratamento especial e existem novos modos de jogo e conteúdos capazes de levar a nostalgia a níveis extremos.

Por fim, registramos aqui que nossa intenção foi apresentar o belo legado da série Mega Man X, que foi perfeitamente representado nessa coleção. Como dissemos, Mega Man 11 está para sair e, apesar de o game pertencer à série principal, os fãs poderão reviver os grandes momentos que essa franquia sempre proporcionou.


some text