Jogos Proibidos no Brasil: Conheça os títulos mais polêmicos!

Desde que os games passaram a ser comercializados de forma massiva, o debate sobre a violência e outras situações questionáveis passou a girar em torno desse universo. Muitas vezes, quando um fato brutal acontece na vida real, é levantada a questão sobre a influência dos games em certos casos. Atualmente, essa polêmica têm voltado com força.

Como a nossa intenção não é debater sobre o assunto ou assumir um posicionamento favorável ou contrário, resolvemos apenas relembrar os jogos que foram proibidos aqui no Brasil. Sim, a nossa lista tem nomes “pesados” e altamente polêmicos. Então, se você quiser saber mais sobre “jogos banidos”, não deixe de acompanhar.

Blood

Para dar início à nossa lista de jogos proibidos aqui no Brasil, temos o game Blood. Apesar de não ser tão conhecido quanto outros dos títulos que iremos apresentar, esse game, lançado em 1997, chamou atenção pela sua violência brutal.

De acordo com a justificativa dada para a proibição, o game possuía uma quantidade exagerada de sangue e violência. Curiosamente, o jogo tinha sangue até no título. No entanto, a polêmica maior estava no fato de que alguns cenários do jogo apresentavam pessoas penduradas (até mesmo crianças) de uma forma bem controversa.

Além disso, a possibilidade de chutar as cabeças dos inimigos caídos não “pegou bem” para o povo que regula a violência nos jogos. No fim, mesmo com a opção de, através das configurações do jogo, reduzir a violência, o game foi proibido aqui no Brasil.

Duke Nukem 3D

Lançado em 1996, o game Duke Nukem 3D foi um marco na história dos jogos de tiro em primeira pessoa. Porém, apesar de ter sido um dos grandes responsáveis pela popularização do gênero, o game era carregado de violência, conteúdo sexual e situações moralmente questionáveis.

Duke Nukem 3D era tão violento que, assim como o game Blood (citado acima), era possível alterar as configurações de violência no menu de opções. Mesmo com uma boa dose de humor e “ofensas por baixo dos panos”, o título não conseguiu escapar dos radares da fiscalização.

Mesmo tendo sido proibido aqui no Brasil, Duke Nukem 3D acabou fazendo um enorme sucesso. Aliás, é provável que a proibição tenha feito o jogo se tornar ainda mais procurado, já que os boatos acerca do seu conteúdo ofensivo foram muito difundidos entre os jogadores da época.

Doom

Quando falamos no nome Doom, somos obrigados a reconhecer uma franquia que foi muito importante para os jogos de FPS. Afinal, Doom foi um dos precursores de muitos jogos que temos hoje. Todavia, mesmo sendo tão importante, o game não escapou das polêmicas.

Para começar, os níveis de violência do jogo de 1993 eram altíssimos. Na época, o conteúdo, marcado por muito sangue e imagens satânicas, foi considerado pesado demais. Diversas entidades cristãs se posicionaram a favor da proibição do jogo. E mais, o game foi citado como um dos responsáveis pelo famoso Massacre de Columbine.

Com toda a pressão da sociedade em diversos cantos do mundo, Doom não conseguiu deixar de ser incluído na lista de jogos proibidos aqui no Brasil. Algumas pessoas chegaram a classificar o game como um “simulador de assassinato em massa”, fazendo o debate sobre a influência dos jogos em crimes violentos ficar ainda mais quente.

Mortal Kombat

Falar de jogos violentos e não citar Mortal Kombat seria estranho, não é mesmo? O jogo já nasceu dentro das polêmicas, pois seus fatalities brutais e a brutalidade dos golpes sempre deram o que falar. De forma curiosa, apenas o primeiro Mortal Kombat foi proibido aqui no Brasil.

Isso aconteceu, porque o game acabou sendo vinculado a um caso de violência de grande repercussão nacional. Assim, o Ministério da Justiça resolveu proibir a venda do jogo.

No caso de Mortal Kombat, os primeiros anos foram difíceis, mas a franquia se tornou tão grande que as brigas com a censura acabaram sendo deixadas de lado. O game é um dos principais nomes no gênero de luta e tem um grande apelo nas competições mundiais. Sem dúvidas, uma nova proibição seria mexer com um sistema que gera rios de dinheiro para muita gente.

EverQuest

EverQuest, lançado em 1999, é um ponto de interrogação nessa nossa lista de jogos proibidos no Brasil. Entender os motivos que levaram os outros games da lista a serem proibidos é uma tarefa fácil, mas com EverQuest a história é muito diferente.

O game, para quem não conhece, é um MMORPG de fantasia, muito semelhante ao fenômeno World of Warcraft (de 2004). Por essência, esse tipo de jogo não possui uma violência acentuada e suas referências não chegam a ser ofensivas.

Ainda assim, sob a alegação de que o game tinha uma “moralidade corrompedora de menores”, a justiça brasileira resolveu proibir o game em 2008. Realmente, nesse caso, é necessário avaliar com cuidado, mas, a princípio, não é fácil de entender os motivos que levaram EverQuest a ser proibido.

Carmageddon

Carmageddon, lançado em 1997, poderia ser considerado um fenômeno entre os jogos proibidos no Brasil. Em menos de uma semana, o game conseguiu ser lançado e ser retirado de todas as prateleiras do país. A violência gratuita e explícita do game foi considerada altamente ofensiva e a justiça não pensou duas vezes antes de “bater o martelo”.

Em um primeiro momento, Carmageddon é um jogo de corrida normal. Entretanto, bastava entrar em uma das fases para verificar que o jogo ia muito além do normal. Para ganhar pontos ou vencer a competição, os jogadores podiam optar por atropelar os pedestres ou destruir seus adversários. E sim, tudo era feito de uma forma muito violenta.

Diante das críticas, o game foi modificado em alguns países, tendo os seres humanos substituídos por zumbis ou robôs. Essa modificação não chegou no Brasil e o game passou a figurar na lista de jogos proibidos. Por fim, assim como aconteceu com Duke Nukem 3D, a grande repercussão da proibição acabou fazendo o game ficar muito conhecido, despertando a curiosidade dos jogadores e aumentando a demanda por cópias do jogo.

E qual será o próximo da lista?

Conforme foi destacado, o debate acerca da violência nos jogos está ganhando intensidade novamente. O estopim para esse assunto foi o Massacre de Suzano. De acordo com algumas notícias, o governo está estudando uma forma de proibir jogos violentos ou incluir “taxas mais pesadas” para a comercialização desses títulos.

Bem, o mercado de Games aqui no Brasil está em franco crescimento e, claro, uma decisão dessas poderia acabar mexendo com muitos interessados, inclusive os gamers. De todo modo, não é de hoje que esse assunto é debatido. Como pôde ver com a nossa lista de jogos proibidos aqui no Brasil, a prática já é bem comum. Ademais, existem jogos como Bully (2006), Counter-Strike (1999) e Postal (1997) que chegaram a ser banidos, mas conseguiram contornar as decisões judiciais.

Em resumo, podemos dizer que esse assunto, ainda mais com os avanços tecnológicos que tem deixado os jogos cada vez mais realistas, sempre estará em pauta. O mundo dos games carrega essa carga há anos e enquanto o ser humano continuar cometendo barbáries e procurando por formas de culpar algo ou alguém, essa história continuará se repetindo.

Portanto, é provável que essa lista de jogos proibidos no Brasil acabe ficando ainda maior no futuro. E sim, é provável que a gente volte a falar sobre esse assunto novamente. Então, por ora, qual é a sua opinião? Compartilhe o post e comente, assim poderemos saber o que os gamers acham dessa história toda! Até mais…


some text